ZEBRA publication

Benefícios da entrada exclusiva de ônibus de emissão zero na frota de São Paulo

Fleets Zero-emission vehicles
Electrification
Brazil

Este documento apresenta o contexto e os benefícios da proibição de inclusão de novos veículos a diesel na frota de ônibus urbanos da cidade de São Paulo, a partir do dia 17 de outubro de 2022. A análise a seguir sugere que a introdução exclusiva de veículos a zero emissões é imprescindível para atingir as metas de 2.600 ônibus elétricos em 2024 e a redução de 50% das emissões de CO2 em 2028 estabelecida pela Lei do Clima de São Paulo. Caso essa proibição não houvesse sido estabelecida, a introdução de novos veículos a diesel comprometeria o cumprimento da lei ou resultaria na necessidade de uma futura substituição acelerada de veículos a diesel com menos de 10 anos por tecnologias zero emissão, onerando e impactando negativamente o equilíbrio econômico-financeiro do sistema.

Para o cumprimento da Lei do Clima, esforços têm sido empreendidos pela Prefeitura Municipal de São Paulo e SPTrans para viabilizar a transição para tecnologias mais limpas. Embora a lei seja neutra em termos de tecnologia, a alternativa de ônibus a bateria tem se mostrado a opção mais disponível e economicamente viável até o momento. Vale destacar que a parte da indústria nacional tem investido na produção de ônibus elétricos no país, reforçando a opção dos fabricantes para descarbonização.

Pelas análises feitas a partir da frota atual, observa-se que para o cumprimento das metas legais e contratuais sem impacto adicional com substituição acelerada de frota, é imprescindível que toda a substituição de ônibus seja por tecnologia zero emissões a partir de agora, para todos os modelos disponíveis no mercado.

Figura 2. Projeções de emissões e número de veículos elétricos com e sem a proibição de novos ônibus a diesel. Os painéis plotam as emissões de CO2 (Noroeste), o número de novos ônibus elétricos (Nordeste)

Figura 2. Projeções de emissões e número de veículos elétricos com e sem a proibição de novos ônibus a diesel. Os painéis plotam as emissões de CO2 (Noroeste), o número de novos ônibus elétricos (Nordeste)